Quinta-feira, 7 de Outubro de 2010
A campaínha tocou. Escrevo sempre os títulos no fim.

Tenho tanta coisa para dizer. Podia falar da Républica e como estamos a perder qualidades como povo revolucionário. O máximo que conseguimos é convocar greves gerais com cartazes muito pouco inspirados, gritos que foram inventados em 74 e ainda sobrevivem por preguiça. Podia falar do prémio Nobel da literatura que tem agora um saldo contabilístico de mais 1 milhão de euros. Como eu gostava de ser escritora. Ou rica, ainda não me decidi. Podia falar do cardiologista que foi demitido por assédio sexual a doentes, o que só prova que os homens muitas vezes põem o pénis no lugar do coração. Qual é o choque? Já sabíamos disto, não? Podia falar sobre a conversa que tive hoje à tarde sobre o número tão reduzido de gajas com piada. E a fazer humor. Não é suposto uma mulher ter piada. Os homens não dizem que amam uma mulher porque ela o faz rir. Às mulheres, pede-se que tenham boas mamas e sejam suficientemente inteligentes para se rirem das piadas deles. Um homem sarcástico é o delírio. Uma mulher sarcástica é ressabiada. Uma mulher não pode fazer funny faces sob pena de perder a pose. E a carga sexual. Ninguém quer ir para a cama com a Maria Rueff, excepto o Bruno Nogueira. Podia falar do meu ódio de estimação pela Anatomia de Grey, cambada de chatos, enjoados, nem coiso nem saem de cima, episódio-a-episódio. O real bocejo. Prefiro falar da minha série do momento. Modern Family. Prefiro, mas não vou dizer muito. Apenas que a Gloria me faz ser um bocadinho bissexual e que o casal gay me faz querer ter uma bebé Vietnamita. Adoro o desconforto do Mitchell quando o Cam é demasiado gay em público. “One big (straight, gay, multi-cultural, traditional) happy family”. Podia dizer muita coisa, mas vou ter de desligar o portátil. A minha pequena e pouco tradicional família - isto até soa a pecado - está a chegar a casa com sushi take-away.

 



publicado por Menina da Rádio às 21:24
link do post | comentar | partilhar

5 comentários:
De amulhercerta a 7 de Outubro de 2010 às 22:09
um conselho. tem cuidado. tu tens piada.


De Menina da Rádio a 7 de Outubro de 2010 às 23:34
Não te preocupes. Eu não conheço pessoalmente o Bruno Nogueira. Mas agradeço o aviso.


De El Felino a 8 de Outubro de 2010 às 11:17
As mulheres sujeitam-se menos ao humor porque temem o ridículo. Por isso é que normalmente as menos atraentes é que têm mais piada, porque não têm um "estatuto" a perder. Mas há muitas mulheres com piada e atraentes. A Tina Fey, a Jennifer Aniston, a Olivia Nunn... Mas o público (incluindo as próprias mulheres), acham mais graça a uma mulher irreverente do que a uma mulher palhaça. O conceito de humor não é igual entre homens e mulheres. Mas sim, definitivamente a Sofía Vergara tem muita piada! ;)


De Tiago a 12 de Outubro de 2010 às 12:33
Tens toda a razão, mas penso que é uma questão cultural. Ainda aquela mentalidade de que a mulher para ter piada tÊm que ser burra, e loura de preferência.

entretanto vou ver se a gloria me faz querer ir aos EUA :P


De Lula a 8 de Dezembro de 2010 às 22:48
Mas como é que é possível achar ressabiada a uma mulher sarcástica? O sarcasmo é excitante, sobretudo numa mulher que o sabe usar.

PS. Grande blog.



Comentar post

Pesquisar
 
Posts recentes

Barrigada de sushi

The Printed Blog Portugal

Símbolos

Antes que seja tarde...

Se Conduzir, Não Escreva

Isto é só para dizer que ...

Do Fastio

Sei que sou muito feminin...

Lições básicas para o hom...

Pobres mas Bem Vestidos

Mais comentados
15 comentários
11 comentários
Arquivo

Agosto 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Tags

todas as tags

blogs SAPO
Subscrever